As terras santa-ritenses do lado de lá do Sapucaí

Enquanto nossas divisas iam se estabelecendo, com certa rapidez, do lado de cá do Sapucaí, o mesmo não se pode dizer das nossas divisas do lado esquerda do dito rio, que demoraram um pouco mais a firmarem-se.

Com a elevação da freguesia de Pouso Alegre a vila, em 1831, as terras a margem esquerda do Sapucaí, antes terras de Campanha, passaram a pertencer a recém criada vila. Seus domínios, em terras hoje santa-ritenses, se estendiam do bairro da Floresta até um pouco além do Timburé, adentrando-se também em terras de Cachoeira de Minas, Conceição dos Ouros, Paraisópolis, dentre outras.

No Registro Paroquial de Terras, de 1856, vários moradores da freguesia de Santa Rita declararam suas posses agrícolas na vizinha Matriz do Bom Jesus, em Pouso Alegre, pois suas terras ficavam na margem esquerda do Sapucaí. Logo abaixo, um resumo destes registros.

Em 1872, a freguesia de São José do Paraíso – atual Paraisópolis – é elevada a vila, desmembrando-se de Pouso Alegre. Com isso, as terras do lado de lá do Sapucaí passam a pertencer à nova vila.

Ideal Vieira nos conta que muitos dos valentões dessa época, quando cometiam qualquer delito em Santa Rita, corriam em disparada, atravessando a ponte sobre o Sapucaí, ficando lá do outro lado a salvo de nossas autoridades, em terras de Paraisópolis.

Em 1888 ocorre a elevação da freguesia de Santa Rita a vila. No texto da lei no. 3658, artigo 1º, tem-se a primeira anexação de terras da margem esquerda do Sapucaí aos domínios de Santa Rita. Essas terras compreendiam a fazenda Pedra Redonda, onde hoje está localizada a fazenda Chalé e seus contrafortes:

Lei Provincial de 1888 que eleva Sta Rita a vila e agrega a fazenda Pedra Redonda a nova vila.

Lei Provincial de 1888 que eleva Sta Rita a vila e agrega a fazenda Pedra Redonda a nova vila.

No ano de 1901, a lei no. 319 define os limites do município de Santa Rita com os de São José do Paraíso e de Pouso Alegre:
[bluepost]Começam no rio Sapucaí, nas divisas da fazenda da Pedra Redonda com o bairro do Pouso d’Anta, pelo espigão das divisas da dita  fazenda, águas vertentes, até o ponto mais  alto, seguindo depois à esquerda até o alto da Serra e atravessando a garganta, na fazenda de Antônio Pereira Lopes, segue em linha reta ao espigão que divide  as terras de Antônio Bernardes e Jonas Bernardes; e por esta divisa até os Campos do Vintém; e daí, em linha reta, ao lugar denominado “caburé” e deste, em linha  reta, ao rio Sapucaí.[/bluepost]

Dez anos depois, em 1911, a lei no. 556 altera as divisas da lei anterior, agregando toda a região do Carumbé a Santa Rita.

Em 1923, uma lei estadual desmembra Cachoeira de Minas de Paraisópolis, delimitando suas divisas. No texto da lei no. 843, artigo 2º, consta uma pequena parte do bairro da Cachoeirinha como terras de Santa Rita.

Em mapa de 1939 já podemos ver o Abertão de Baixo e o Timburé como partes de nosso município. Porém a Floresta e parte dos Pires ficaram em terras de Cachoeira por mais alguns anos, passando a pertencer ao nosso município antes de 1948.

Mapa de 1939 onde podemos ver o Abertão e Timburé como terras santa-ritenses

Mapa de 1939 onde podemos ver o Abertão e Timburé como terras santa-ritenses

* * *

Resumo dos 25 registros de terras, hoje terras santa-ritenses, que constam nos registros de Pouso Alegre, arquivados no APM sobre o número TP-1-169:
[table id=10 /]

Esta entrada foi publicada em Fontes Primárias, Mapas. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

17 respostas para As terras santa-ritenses do lado de lá do Sapucaí

  1. m.luiza disse:

    NECO , PARABENS MAIS UMA VEZ , ACOMPANHO COM MUITO INTERESSE SUAS PESQUISAS , CONTINUE COM ESSE ENTUSIASMO E COMPETENCIA
    UM ABRAÇO DA M.lUIZA

  2. maria aparecida ferreira almeida disse:

    Como faço para obter informações sobre origem da Fazenda do Vargedo que pertenceu a meu pai,medico na cidade de Santa Rita do sapucai,Antenor Pinto de Almeida,falecido em 05 de dezembro de 1973,que herdou essa fazenda do seu pai Joao Euzebio de Almeida,cuja fazenda produzia café…
    Vizinha a Fazenda do Vargedo ele possuia a Fazenda Serra da Manoela.

    Obrigada.

    • Neco Torquato Villela disse:

      Olá Maria Aparecida,

      Não tenho tal informação para te passar. Mas vou anotar aqui nas minhas coisas, se eu achar algo, eu te passo.

      Neco

    • Neco Torquato Villela disse:

      Maria Aparecida,

      Dei uma olhada em algumas anotações minhas e encontrei uma referencia ao avô paterno de João Eusébio de Almeida, chamado major Faustino Pereira da Silva, negociante em Natércia. Ele declara-se senhor 130 alqueires de terras no local chamado Ponte do Rio do Turvo, em Natércia, no registro de terras de 1855/56. Dentro dos limites desta terras no Turvo estão a serra da Manoela, dentre outras terras.

      Talvez esteja aí a origem de suas terras!

      Até!

  3. maria aparecida ferreira almeida disse:

    Peço por favor verificar se tem mais noticias a respeito do meu falecido pai Antenor Pinto de Almeida, nascido em Santa Rita, exerceu medicina por 55 anos na cidade,
    proprietario da fazenda do Vargedo, falecido em 05/12/1.973, e se possivel,verificar se Stela Almeida Moreira ainda é viva .
    Resido em Campinas, mas se neçessario irei até Santa Rita para obter ou mesmo xerocar os documentos para ter como lembrança.

    Muito obrigada e se passar por Campinas, venha tomar um café mineiro com bolo de fubá em minha residência. fone 19-32038712. aparecida ferreira almeida

  4. Fabíola disse:

    Oi Neco, encontrei você procurando no google pela Fazenda da Pedra Redonda, Fazenda Moreira depois que adquirida pelos Moreira. Você tem alguma informação? Gostaria de conhecer o local onde morou Delfim Moreira em sua infância. Agradeço por sua ajuda.

  5. Boa tarde. Sou genealogista e tenho ramos digitados no site que administro de vários ramos de Santa Rita do Sapucaí. estou pesquisando o ramo do Antenor. Talvez interesse ver o documento no site http://memoria.bn.br/DocReader/Hotpage/HotpageBN.aspx?bib=212679&pagfis=1829&url=http://memoria.bn.br/docreader# Gostaria de saber os pais do Dr Antenor (pai), o Antenor filho sei que foi prefeito em Santa Rita.

    Tenho digitado o Cel Faustino Pereira da Silva, senhor do Engenho Jesus Maria e José, no Rio das Velhas abaixo, Sabará. Foi casado com Maria da Silva Magalhães, nascido em Freguesia Vila Franca de Vianna – concelho de Viana do Castelo – arcebispado de Braga – Portugal, e falecido Engenho Jesus Maria e José, no Rio das Velhas abaixo, Sabará – Minas Gerais – Brasil 20 de Jan de 1766. Será que é o mesmo????
    Obrigado a quem puder esclarecer.
    Contato
    aristeusoaresdec@gmail.com
    Prof. Aristeu

    • Neco Torquato Villela disse:

      Olá Prof Aristeu,

      Os pais do Dr Antenor Pinto de Almeida são João Eusébio de Almeida Jr (natural de Natércia-MG, nascido em 1855) e Maria das Dores Vilela (natural de Sta Rita, nascida em 1869). Neto paterno de João Eusébio de Almeida (filho de Vitoriano José de Almeida e Teodora do Monte do Carmo) e Porcina Leopoldina da Silva (filha de Faustino Pereira da Silva e Porcina Honoria de Paiva), ambos de Natércia-MG. Neto materno de Luiz da Cunha Pinto Jr (filho de Luiz da Cunha Pinto e Ana Joaquina Garcia) e Rita Porfíria Vilela (filha de Antonio Francisco Vilela e Ana Vitoria Ribas), esta nascida em Sta Rita.

      Espero ter ajudado!
      Abraços!

  6. Cristiano disse:

    Neco;

    Parabéns por mais esse ótimo trabalho.
    Os Registros Paroquiais de Terras são documentos valiosíssimos pois demarcam as propriedades, indicam locais e moradores.

    Agora a curiosidade: Você digita tudo isso ou tem alguma ferramenta que consegue transcrever ?

    abçs;

    Cristiano Pereira

    • Neco Torquato Villela disse:

      Grato Cristiano, pela força!

      Eu digito tudo a mão mesmo. Penso que são mesmo fontes valiosíssimas, como vc disse, e não pode ficar engavetadas, mofando em algum arquivo por aí.

      Obrigado mais uma vez e abraços!

  7. Maria Almeida disse:

    Boa tarde.
    Existe algum Livro que conte a historia dos Antigos de Santa Rita?
    Grata

    • Neco Torquato Villela disse:

      Olá Maria,

      Desculpe a demora em responder.
      Tem alguns livros que contam algumas histórias dos antigos. Crônica das casa demolidas, do Dr Cyro de Luna, é um dos que lembro agora.
      Lembrando de mais algum, te aviso aqui.

      Até

  8. Emilio Zanni disse:

    Descobri por acaso seu trabalho e admirei muito p/ riqueza de detalhes!
    Salvei nos “favoritos” e desde já, fico freguês. Obrigado pelas pesquisas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.